Franquias de Vestuário

Embora o número de unidades franqueadas tenha caído 0,1% em 2017, o faturamento das redes de vestuário cresceu 7% em relação ao ano anterior, conforme último balanço realizado pela entidade do setor, a Associação Brasileira de Franchising. O segmento é um dos principais do mercado de franquias e, em 2018, deve manter o ritmo com ótimas oportunidades de crescimento.

Prova disso é a projeção otimista da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit) que prevê que o faturamento do setor têxtil e de confecção deverá registrar crescimento de 5,5% em 2018, alcançando R$ 152 bilhões e um aumento da produção de vestuário deve 2,5%, 4% na produção têxtil e de 5% no varejo de vestuário.

Em um cenário tão promissor, as redes de franquias investem em sua expansão e buscam franqueados para novas unidades no país. Para facilitar ainda mais essa expansão, as marcas do segmento também têm buscado alternativas para criar modelos de negócios mais enxutos mirando os empreendedores que buscam franquias com baixo custo inicial de investimento. Assim nascem negócios os modelos porta a porta, que
excluem a necessidade de um ponto comercial que é um exemplo entre tantos modelos menores.