Como manter o engajamento de lideranças e equipes remotamente

Franquia

 

Em 2020, um grande desafio das empresas foi criar meios de levar o trabalho para dentro das casas dos colaboradores, em tempo integral. Agora, em 2021, engajar lideranças e equipes em um cenário ainda incerto virou o novo “X” da questão. Uma preocupação que está relacionada com o clima, a cultura e a produtividade, afinal o engajamento anda lado a lado com os resultados do negócio. O desequilíbrio causado por colaboradores desengajados gera prejuízo financeiro.

 

Existem empresas que pretendem continuar em um modelo 100% remoto mesmo depois do término da pandemia, outras que desejam retomar o presencial e ainda aqueles que adotam um modelo híbrido.

 

Entretanto, é preciso reconhecer que engajar colaboradores que estão juntos em um local é diferente de alcançar cada profissional em sua casa. Nesse caso, de modo prático, o que pode ser feito? É tudo mentalidade ou depende de ferramentas também? Conversamos com um especialista para jogar luz ao tema.

 

Existe diferença no engajamento em modelo de trabalho remoto, presencial e híbrido?

O local onde o colaborador faz diferença, sim. Ao mesmo tempo, existe um pré-requisito para engajar o profissional, onde quer que esteja, de acordo com André Rezende, consultor e palestrante com foco no desenvolvimento de líderes e equipes de alta performance.

 

Em entrevista ao Dialog, startup responsável por desenvolver uma plataforma online de comunicação interna e RH, ele explica que para engajar, é preciso “destacar a causa maior para as pessoas executarem o que precisa ser executado e no mundo remoto é necessário criar mecanismos de aproximação do colaborador com a empresa, o que no mundo presencial pode acontecer nas interações mais informais, como um café, conversas de corredor entre uma reunião e outra e almoços informais.”

 

Ele completa dizendo que independentemente do modelo utilizado, “as pessoas precisam satisfazer as necessidades de relacionamento e pertencimento e precisam entender que o trabalho delas é importante e é parte de algo maior”.

 

Nesse sentido, olhar com uma atenção especial para os colaboradores que estão trabalhando à distância é de grande importância.

 

Algumas medidas que podem ser adotadas para engajar lideranças e equipes remotamente são:

 

  1. Reuniões de alinhamento e acompanhamento das atividades e também do bem-estar;
  2. Momentos de interação entre a equipe. Que tal um happy hour online? ou uma reunião mais descontraída na qual os colaboradores compartilhem suas vivências no home-office?;
  3. Centralize a comunicação online em um canal interativo. Bombardear o colaborador por todos os lados pode deixá-lo confuso e, consequentemente, desengajado.

 

Como engajar a liderança e como os próprios líderes engajam seus times à distância?

Um bom ponto de partida para essa questão é ter a estratégia sempre por perto. Segundo Rezende, “para engajar a liderança e a própria liderança engajar o seu time, os gestores precisam amarrar bem a estratégia e o propósito da empresa com as atividades diárias, que hoje em dia estão sendo executadas, em uma grande maioria de empresas, de casa.”

 

E qual o papel do líder nesse engajamento à distância? Fazer o colaborador entender que todas as atividades são essenciais, que seu trabalho faz a diferença e ajuda a empresa a alcançar seus objetivos, fortalecendo o senso de pertencimento.

 

“Para fazer esse elo entre a estratégia e as atividades do dia a dia, os gestores precisam dedicar tempo para discutir o propósito da empresa, missão, visão, valores, e principalmente o mapa estratégico, pois assim os colaboradores entenderão que são parte integrante de algo maior”, completa o especialista.

 

Como fica o engajamento das lideranças no cenário pós-pandemia?

Líderes têm um papel essencial neste momento de manter o nível de engajamento da equipe. “Para manter o engajamento após a pandemia, haverá uma necessidade ainda maior de fazer o elo do dia a dia dos colaboradores com o propósito da empresa e existe um grande risco de extinção daquelas empresas que ainda não tem um propósito bem definido.”

 

Para o consultor, as pessoas estarão mais engajadas no propósito, trabalhando por uma causa maior, não apenas pelo retorno financeiro.

 

A digitalização é uma chave para engajar lideranças e equipes

Antes mesmo da pandemia, o modelo home-office já apresentava crescimento: o Global Workplace Analytics apontou que nos Estados Unidos, de 2005 a 2017, o trabalho remoto cresceu 159% entre a população. Em 2017, 4% da força de trabalho norte-americana atuava à distância, sendo que, em 2015, esse número era de 2,9%.

 

Já no começo da quarentena, um estudo feito pela Gartner com 800 executivos de RH mostrou que 88% das organizações encorajaram ou obrigaram os colaboradores a trabalhar de casa.

 

Essa mudança tão brusca obrigou o Recursos Humanos a analisar não só quais ações podem ser feitas para garantir uma transição e adaptação tranquila, mas também como continuar engajando o colaborador à distância.

 

A partir desse novo cenário, investir em ferramentas digitais tornou-se uma necessidade para continuar oferecendo a melhor employee experience, agora em outro ambiente.

 

Sobre o Dialog

Criado em 2016, o Dialog é um superapp que surgiu com o intuito de modernizar, melhorar e facilitar a comunicação interna de médias e grandes empresas. A plataforma, também disponível nas versões web e TV Corporativa, e integrável com outros sistemas de RH e canais internos como WhatsApp, e-mail, Yammer e Facebook Workplace, é customizável à marca e às necessidades do cliente e propõe uma comunicação democrática por meio de uma dinâmica gamificada, privilegiando as mensagens da empresa, mas também dando voz a todos os colaboradores. Em 2020 o Dialog figurou entre as 35 melhores startups do Brasil, dentre mais de 12.000 startups no ranking da 100 Open Startups.

 

Encontre a melhor franquia para você: Franquias por segmentos e ramos
Confira mais artigos em: Gurus do Franchising

Encontre a melhor franquia para você