Como identificar que uma empresa está pronta para expandir como rede de franquias?

Negócios que acompanham as mudanças de comportamento e consumo tendem a conquistar melhor resultado

A expectativa de crescimento econômico para o ano que se inicia é considerável. Mas será mesmo um bom momento para expandir um negócio e se tornar franqueador? Segundo Patrícia Baubeta, advogada e consultora em franchising da Baubeta Abreu Almeida Advogados, há segmentos e vertentes que não são modismo, mas pode aproveitar oportunidades geradas durante a crise econômica.

"Existem modalidades que tem apelo maior e probabilidade de crescer em épocas de crise, quer por atender novas demandas de consumo ou por adaptar-se às alterações da demanda. É importante estar atento às mudanças de comportamento do consumidor e às oportunidades que surgem por consequência. Por exemplo, se não há recursos para comprar roupas novas, pode-se incrementar o visual com um acessório ou reformar/atualizar as roupas que já se têm, se não pode trocar o carro, conserva-se o que possui. Se os hábitos de consumo mudam, eles geram oportunidades de crescimento para empresas que satisfazem essas demandas", ressalta.

Segundo a especialista, também não são raros os casos em que os empresários cogitam franquear seu negócio depois que alguém se interessa por seu modelo de atuação no mercado. "É necessário ser crítico, avaliar o negócio que se pretende franquear com muito cuidado e critério. Ele deve poder ser reproduzido por terceiros e ter algum diferencial, ser capaz de destacar-se de concorrentes de tal forma que interesse a terceiros investidores. Franquear exige experiência, além de capacidade para transmiti-los a terceiros, bem como para dar assistência, suporte e, se implicar revenda de produtos ou mercadorias, capacidade para atender todas as unidades próprias e os pedidos dos franqueados, tudo isso exige estrutura. Franquia não é solução para problemas de caixa, não é uma forma rápida e fácil de receber investimento", ressalta Baubeta.

É o caso da Esmalteria da Sol entrou para o franchising no início de 2018 e que tem origem em São José do Rio Preto. A marca já possui duas unidades franqueadas em Rio Preto e para 2019 tem um plano de expansão que engloba a abertura de 30 novas unidades, com foco na grande São Paulo. A empresária Solange Regovich, proprietária da marca, decidiu investir no franchising depois que muitas clientes começaram a abordá-la questionando se ela vendia franquia. Devido a essa procura, Solange decidiu entrar para o franchising, mas para isso contratou o serviço de um escritório especializado em expansões no franchising. 

Oportunidade

Para algumas pessoas, a crise financeira vira sinônimo de oportunidade, como foi para alguns dos franqueados mais recentes da Piticas, que viram no modelo de negócio da marca uma chance de começar o próprio negócio. Os empreendedores Felipe e o Vinícius Rossetti, fundadores da Piticas, tinham no início da empresa 50 unidades próprias em operação. Até que perceberam que a ideia havia tomado uma dimensão maior do que conseguiam gerenciar sozinhos, o franqueamento foi o melhor método para expandir a distribuição. Até 2015, a sociedade era formada por 120 estabelecimentos, número que se expandiu hoje até a quantidade de mais de 300 pontos em todo o país.

Já a Airomas, fundada em 2009, do ramo de aromatização profissional para lojas, eventos e ações promocionais, iniciou sua expansão por franquias somente no segundo semestre de 2018. A rede fez esse avanço com muita consciência de que antes precisava antes entender o varejo relacionado a necessidade do marketing olfativo, testar produto, máquina, fazer pesquisas do potencial de mercado.  "Temos total consciência de que o sonho de obter um negócio próprio por meio de franquias é algo muito sério, às vezes pode representar as economias de uma vida. Por isso nos preocupamos em estar 100% azeitado em todos os quesitos", afirma Josemir Rocha, diretor de expansão da Airomas. 

Com clientes espalhados pelo país, a empresa entendeu que crescer por meio do franchising era a melhor estratégia. "Hoje, muitos clientes são atendidos a distância, porque a sede da empresa fica na Grande São Paulo, e acreditamos que um franqueado mais próximo poderá não só trabalhar melhor a região como dar um suporte ainda mais próximo aos consumidores", explica o executivo. No modelo desenhado pela Airomas, o candidato a franqueado precisa ter excelente habilidade comercial. "Ficará sob responsabilidade do franqueado conquistar novos clientes em sua região de atuação", diz Josemir. 

Os cinco passos para franquear o seu negócio

A especialista, Patrícia Baubeta, elencou os cinco principais passos para quem pensa em franquear uma empresa em 2019. Confira a seguir:

  1. Avalie a franqueabilidade do negócio, o que exigirá estudos quanto à possibilidade de sua reprodução por meio do "franchising", a viabilidade financeira, o potencial de mercado em relação ao negócio a ser franqueado e para a expansão da franquia, a disponibilidade e a habilidade dos envolvidos para lidar com os futuros franqueados, entre outros;
  2. Formate o negócio que se franqueará e a franqueadora sob o enfoque empresarial e jurídico. Esse processo visa a determinar os padrões da maior parte dos aspectos relacionados ao negócio franqueado e à franqueadora, estimando investimentos, definindo  taxas, regras, normas, visual, perfil de franqueados, entre outras características da franquia, resulta também na elaboração dos manuais, na estruturação jurídica da franquia e da franqueadora, planejamento marcário, elaboração da COF, pré-contrato (quando necessário) e contrato de franquia, entre outros contratos, estabelecimento de um planejamento de expansão, de "marketing" e etc.;
  3. Organize e estruture a empresa franqueadora como definido durante o processo de formatação. As atividades da franqueadora não se confundem com as do negócio que originou a franquia, há outros investimentos a fazer em bens materiais, "softwares", recursos humanos (seleção, contratação, treinamento e acompanhamento), em canais de comunicação, para implantação das estratégias de proteção da propriedade intelectual, bem como regular relações com fornecedores (homologação/credenciamento), entre outras atividades;
  4. Execute o planejamento empresarial da franqueadora, da rede, de expansão e de "marketing";
  5. Monitore a execução do planejamento e promova a capacitação dos membros da franqueadora para o bom relacionamento com os franqueados da rede.

Confira algumas oportunidades: Franquias por Segmentos e Ramos

Saiba mais: Como abrir uma franquia 

Fonte: Sua Franquia - www.suafranquia.com

Encontre a melhor franquia para você