Tiffany volta a brilhar nos negócios

Flagship na Trump Tower, instabilidade do dólar e falta de conexão com o jovem consumidor são alguns dos motivos apontados

Tiffany volta a brilhar nos negócios: Flagship na Trump Tower, instabilidade do dólar e falta de conexão com o jovem consumidor são alguns dos motivos apontados


Depois de vários trimestres de vendas afetadas pelo dólar, a proximidade da flagship a uma área que esteve sujeita a aumento da segurança e protestos na Trump Tower e outros eventos contrários, a Tiffany está vendo seu desempenho estabilizar algumas semanas depois da saída de Frederic Cumenal, que deixou o cargo de CEO.

Mas a instabilidade da moeda e sua localização desafortunada não são os maiores problemas da Tiffany, diz Neil Saunders, diretor-gerente da GlobalData Retail. "A Tiffany é uma marca que é cada vez mais ignorada pelos consumidores americanos, especialmente os mais jovens ", disse Saunders. 

Assim sendo, a Tiffany ainda não conseguiu se conectar com muitos segmentos de compradores e continua a perder terreno para rivais. Embora o negócio esteja fazendo algum progresso, é justo dizer que esse progresso é desigual e não indica uma empresa que está de volta à saúde completa. 

Na verdade, sob o detalhamento dos números é claro que a Tiffany ainda tem problemas em uma série de regiões, incluindo as Américas e Europa. No quarto trimestre, as vendas para o primeiro caíram 3%, e as vendas para o último caíram 7%. 

A Tiffany espera que as vendas líquidas em todo o mundo em 2017 aumentem em um percentual abaixo de um dígito e em um percentual médio de um dígito em moeda constante, aumentando 3%, com nove realocações e seis lojas fechadas. 

Encontre a melhor franquia para você