Início / Notícias / Serviços Educacionais / Escolas de idiomas em cidades pequenas dão certo? A KNN prova que sim!

Escolas de idiomas em cidades pequenas dão certo? A KNN prova que sim!

Entenda como a KNN, com um modelo de negócios único, se tornou um verdadeiro fenômeno em municípios com cerca de 10 mil habitantes

Escolas de idiomas em cidades pequenas dão certo? A KNN prova que sim!

Compartilhe:   

Imagine a seguinte situação: você encontra um segmento em que é extremamente apaixonado. Um ramo de trabalho que possibilita transformar a vida de seus clientes e fazer com que eles vivam experiências incríveis pelo mundo afora. O segmento de ensino de idiomas é exatamente assim. O único detalhe é que você mora numa cidade do interior, com aproximadamente 10 mil habitantes. Essa cidade é pacata e nunca ninguém abriu uma escola de idiomas por lá. E agora, será que vale arriscar?

Situações como essa são muito encontradas pelos especialistas em negócios da KNN Idiomas Brasil, atualmente uma das maiores marcas do segmento de franquias de idiomas do país. Estarrecidos com o modelo de negócios da rede, o qual permite matrículas de novos alunos em todos os meses do ano e fornece suporte presencial nas primeiras semanas de inauguração, a maior dúvida de quem busca uma franquia para investir acaba muitas vezes se repetindo. 

Afinal, escolas de idiomas dão certo em cidades pequenas? O que muitas unidades da KNN Idiomas têm mostrado nos últimos anos de operação da franquia é que sim, funcionam e muito!

Cristiane Martins Marquezoni, franqueada da KNN Sete Quedas (cidade de apenas 6 mil habitantes localizada no interior do Mato Grosso do Sul) é o exemplo perfeito do fenômeno “escola de idiomas que matriculou a cidade inteira”.

A empreendedora e seu marido, que antes eram proprietários de outra franquia de idiomas, admitem que a escolha de mudar de marca foi tomada a partir de uma observação que fizeram junto à concorrência: “Percebemos que uma grande parte dos nossos alunos, e também de outras escolas concorrentes, estavam se matriculando na KNN da cidade vizinha. Pensei ‘ué, por que então não fazemos essa mudança de marca?’ E assim fizemos!”, conta. 

A escola de Cristiane inaugurou no dia 20 de maio de 2023. Até o fechamento desta publicação, a escola possui 70 alunos devidamente matriculados, atingindo desta maneira o ponto de equilíbrio do investimento de forma surpreendente.

“Quando a gente descobriu que a KNN era tudo o que a gente já estava sonhando há muito tempo, não restaram dúvidas. A união do comercial ativo com a metodologia que vende o sonho do que o idioma pode proporcionar foi o que nos cativou”, conta. Cristiane e seu marido já se preparam para inaugurar sua segunda escola, tornando-se desta maneira um dos muitos multifranqueados da rede. 

Na franquia KNN, as escolas instaladas em cidades com cerca de 10 mil habitantes são chamadas de “KNN Box”. A criação deste formato de unidade, de acordo com o diretor de expansão Rodrigo Maestrelli, veio a partir da uma alta demanda de empreendedores interessados em microfranquias. “Passaram a nos procurar centenas de investidores com o desejo em empreender em cidades pequenas em meados de 2021. Como a KNN é boa de negócio e possui um alto grau de adaptação, criamos esse modelo de investimento mais enxuto que tem sido um verdadeiro sucesso por todo o Brasil”, comenta.

Outra escola de formato Box que se tornou um case de sucesso entre os franqueados da KNN foi a unidade de Manoel Ribas, no Paraná, município com 13 mil habitantes, de acordo com os dados fornecidos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Sob a direção da franqueada Paula Gonçalves, que antes trabalhava como professora concursada da rede pública, a escola foi inaugurada em 14 de maio de 2023 com mais de 50 alunos matriculados. Atualmente, a unidade conta com 159 alunos ativos. 

A KNN chegou na vida de Paula por conta de uma frustração profissional nada agradável. “Eu era professora da área de Educação Física e estava decepcionada e desiludida com a forma com que os professores estavam sendo tratados pela gestão pública do estado do Paraná, por isso resolvi fazer essa mudança brusca em sua carreira. Nunca fui do ramo de idiomas, mas resolvi pesquisar algumas franquias do segmento. Eu queria ser dona do meu próprio negócio!”, relembra.

A escolha de investir no ramo aconteceu por conta de uma observação de Paula a respeito de sua cidade. “O ensino de idiomas que se tinha aqui em Manoel Ribas era apenas aquele fornecido através do ensino básico”. O excesso de gramática e a falta de conversação nas aulas, de acordo com a franqueada, era o que desmotivava a população a aprender um segundo idioma. 

Orgulhosa da mudança que fez, Paula agradece o suporte prestado pela KNN Brasil em todas as áreas da escola e comemora seu índice de retenção de alunos: “Em um ano de operação, nossa escola teve apenas cinco alunos com contratos cancelados, por alunos que tiveram que sair da cidade por conta de seus estudos”, conta.

Cases como esses de Manoel Ribas (PR) e Sete Quedas (MS) são provas de que a performance de um empreendimento não depende do número de habitantes da cidade da qual ela está instalada e sim da qualidade do serviço prestado, e claro, dos esforços do empreendedor e sua equipe.

Caso você queira saber mais sobre os formatos de franquia da KNN Idiomas, preencha o formulário ao lado e converse com um de nossos consultores especializados.

PUBLICIDADE

Tem interesse no mercado de franquias?