Notícias / Negócios / Pix se torna aliado do empreendedor nas vendas de fim de ano

Pix se torna aliado do empreendedor nas vendas de fim de ano

Micro empresários se beneficiam da forma de pagamento, dão descontos e atendem aos consumidores

Compartilhe:   

O Pix já se tornou um aliado de muitos empresários e, além da praticidade, é visto como uma maneira de fugir dos impostos que incidem em outras formas de pagamento, a exemplo do cartão de crédito. O sucesso é tanto que a transação digital já virou rotina para prestadores de serviço e em muitos estabelecimentos, que também passaram a oferecer descontos para quem compra com o Pix, principalmente em períodos como o Natal e as festas de fim de ano, quando o mercado está mais aquecido. Pesquisa realizada pelo Sebrae e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revela que a ferramenta digital é a principal forma de recebimento para 42% dos empreendedores e está à frente de outras modalidades, como dinheiro e cartões de crédito e débito.

“É bom para quem paga e para quem recebe. É um diferencial. No caso do pequeno negócio, é dinheiro na hora, podendo o empreendedor, ao final do dia, ter mais controle financeiro e tomar decisões importantes na gestão do fluxo de caixa, como pagar um fornecedor”, argumenta a analista da Unidade de Capitalização e Serviços Financeiros do Sebrae, Cristina Vieira Araújo. Somam-se a essa vantagem o impacto positivo na entrega de produtos, facilitando a logística e a gestão de estoque, e a melhoria na rotina do empresário, que não precisa se preocupar tanto com o uso de dinheiro em espécie e necessidade de troco.

Disponível 24h e todos os dias da semana, inclusive feriados, o Pix permite que o usuário faça uma transação rapidamente, em aproximadamente 10 segundos. A analista do Sebrae completa que o modelo é integrado às informações do sistema financeiro e traz camadas adicionais de segurança. É acessado apenas pelos canais já disponíveis pelo banco ou instituição de pagamento credenciadas pelo Banco Central. Ainda assim, Cristina reforça que é preciso ficar alerta: “Mesmo com toda a segurança, os usuários devem ter alguns cuidados, como não entrar em links ou baixar aplicativos suspeitos. Lembrando que os golpes costumam ter origem em um processo de engenharia social, ou seja, a causa não está relacionada com a tecnologia do sistema.”

Batizada de Pulso dos Pequenos Negócios, a primeira edição do levantamento do Sebrae em conjunto com o IBGE ouviu, entre o fim de agosto e as duas primeiras semanas de setembro, mais de 6 mil empresários de todos os estados brasileiros e do Distrito Federal. Separados por porte, o Pix encontra seu melhor desempenho entre os MEI: 51% deles afirmam que esse é principal meio de pagamento utilizado em suas vendas. Entre as micro e pequenas empresas, o Pix é o principal meio para 28% dos entrevistados.

Confira abaixo os dados da pesquisa:

Principal forma de pagamento utilizado pelos clientes das empresas:
Microempreendedor Individual (MEI)
• Pix – 51%
• Dinheiro – 15%
• Cartão de crédito – 20%
• Cartão de débito – 5%
• Outro – 9%

Microempresa
• Pix – 28%
• Dinheiro – 10%
• Cartão de crédito – 30%
• Cartão de débito – 9%
• Outro – 23%

Pequena Empresa
• Pix – 42%
• Dinheiro – 13%
• Cartão de crédito – 23%
• Cartão de débito – 7%
• Outro – 15%

Fonte

Agência Sebrae

PUBLICIDADE

Tem interesse no mercado de franquias?