Início / Notícias / Negócio Próprio / Sebrae e Pró Empresa assinam acordo de cooperação empresarial

Sebrae e Pró Empresa assinam acordo de cooperação empresarial

Brasil e Cabo Verde de mãos dadas para promover empreendedorismo, apostar na inclusão e combater o desemprego

Compartilhe:   

O Sebrae e a Pró Empresa – Instituto de Apoio e Promoção Empresarial de Cabo Verde assinaram, na cidade da Praia, um Memorando de Entendimento que pretende estabelecer parcerias de trabalho com o objetivo de promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios, estimulando o empreendedorismo.

Com a duração de cinco anos, o acordo prevê ações conjuntas e coordenadas para a cooperação internacional, no apoio ao empreendedorismo e em prol do desenvolvimento inclusivo e sustentável dos pequenos negócios no Brasil e em Cabo Verde.

O Sebrae irá desenvolver ações voltadas para a qualificação do corpo técnico da Pró Empresa, bem como ações de cooperação em inovação e digitalização, partilhando soluções e metodologias adaptadas ao contexto de Cabo Verde.

Em causa estão ainda iniciativas que fomentem o intercâmbio empresarial, sendo que a parceria entre as duas organizações congêneres prevê a elaboração de planos de trabalho conjuntos nas experiências bem-sucedidas, quer do Sebrae, quer da Pró Empresa, nos respetivos países.

Segundo o presidente do Sebrae, Décio Lima, os pequenos negócios são essenciais para a economia do Brasil, pois representam 94% das empresas no país, são 30% do PIB e de cada dez empregos gerados, sete são da micro e pequena empresa. “O Brasil teve duas legislações criadas pelo presidente Lula. A primeira foi a do Simples Nacional e o segundo grande marco, foi a criação da figura jurídica do Microempreendedor Individual, o MEI. O MEI é aquele que acorda de manhã e se vira com o seu carrinho de pipoca, com uma lojinha, com o seu artesanato, com a sua prestação de serviços, com sua força de trabalho ou sua intelectualidade”, afirmou.

Décio Lima complementou ainda ressaltando o papel deste segmento na inclusão, “esse é um universo que temos que entender e que é a forma de construirmos uma relação de inclusão”.


"Hoje 60% do povo brasileiro não quer emprego, quer empreender. Este é o caminho para fazermos uma sociedade saudável, inclusa, pois estes são os que precisam ser protegidos por políticas públicas do estado". Décio Lima, presidente do Sebrae Nacional.

Memorando

A assinatura do Memorando decorreu durante uma conferência internacional sobre “Formação, Formalização e Financiamento Empresarial” promovida pela Casa do Empreendedor. Décio Lima falou do exemplo do Sebrae no Brasil, apontando estratégias que fortalecem o empreendedorismo e o apoio ao desenvolvimento sustentável das empresas, realçando a importância das parcerias. “Estou aqui por ordem e determinação do presidente Lula e do vice-presidente Geraldo Alckmin que estabeleceram para o Brasil, a partir deste ano, um novo processo, uma retomada no nosso país diferente dos acontecimentos dos últimos anos”. “Um grave problema foi interromper as relações com os países do continente africano e com os países do Sul Global dos quais todos nós pertencemos”, referiu o presidente do Sebrae.

Durante a conferência, Décio Lima falou ainda de inovação, referindo que é preciso ter um mundo inovador, um mundo sustentável e um mundo de inclusão com geração de emprego e renda. “Nós não podemos imaginar viver num planeta sustentável, com inovação e com 750 milhões de seres humanos que acordaram hoje de manhã e ainda não comeram e não sabem se vão ter um pão ao entardecer, literalmente na miséria e na fome”, alertou. “Por isso, esta sinergia entre nós, entre o Sul Global, é extraordinariamente importante porque se nós sabemos que o sistema é voraz, que o sistema capitalista leva a uma acumulação de riqueza, se ele leva para desprezar a vida, nós podemos melhorá-lo e garantir um processo de inclusão mesmo convivendo e vivendo com a acumulação da riqueza”. “Se nós transformarmos isso, a nossa atividade econômica que cresça, que crie escala, mas que não deixe de olhar para os seres humanos e que não banalize o mal”, reiterou ainda na sua mensagem.

Sobre os mais jovens, o presidente do Sebrae garantiu que “essa juventude tem que ser trazida para o fomento dos processos de inovação e de tecnologia”. Isto, porque entre os mais novos “há uma criatividade e uma inteligência, tem muito a ensinar-nos, só falta prepará-los neste campo da gestão da criatividade para que desenvolvam os seus negócios, para poderem entender o ambiente de negócios, que é o que a Pró Empresa pode fazer, ensinar essa juventude a saber fazer gestão, a obter o crédito”.

Perante uma plateia cheia, Décio Lima disse que o Brasil e o Sebrae estão em Cabo Verde porque entendem que devem “construir permanentemente uma sinergia com a economia do Sul Global, para poder manter um equilíbrio entre os poderosos”. Por isso, “o presidente Lula da Silva saiu neste mandato na procura de aglutinação, preside o Mercosul que reúne o continente latino americano, vai presidir agora o G20, estamos nos BRICS, estamos construindo uma relação que é prioritária para o Brasil com o continente africano”.


Segundo Edney Cabral, presidente da Pró Empresa, o memorando assinado com o Sebrae “é muito importante porque um dos seus eixos é o empreendedorismo e a inovação”. “Como sabemos o Sebrae é um mundo, tem uma expertise muito grande e nós decidimos incluí-los como um dos nossos eixos de atuação, aliás é uma diretiva do Governo de Cabo Verde promover o empreendedorismo para combater o flagelo do desemprego”, referiu.

Presente na conferência, Olavo Correia, vice-primeiro ministro e ministro das Finanças e do Fomento Empresarial, saudou a presença do Sebrae em Cabo Verde para dizer que “em pequenos estados como o nosso, não precisamos de perder tempo com muitas coisas, precisamos aprender, adaptar e implementar, por isso estarmos aqui com o Sebrae é muito importante para aprendermos a fazer melhor”. O governante falou do dividendo demográfico em África e da necessidade premente de serem criados 450 milhões de novos empregos no continente. Só em Cabo Verde, o país tem a necessidade de criar por ano 2 mil novos empregos. Olavo Correia garante que Cabo Verde está a trabalhar nesse sentido para dar resposta aos seus jovens, desenvolvendo uma arquitetura financeira que seja inclusiva, que crie emprego e que dê dignidade às pessoas.

A conferência internacional, promovida pela Casa do Empreendedor, reuniu dezenas de participantes, contando com a participação de várias entidades, membros do Governo, diplomatas, líderes empresariais e empreendedores.

Fonte

Agência Sebrae 

PUBLICIDADE

Tem interesse no mercado de franquias?