Expectativa do varejo: 2018 deve ser mais um ano de crescimento

Enviado em 05, Fev, 2018 às 10:00:00

Expectativa do varejo: 2018 deve ser mais um ano de crescimento. Shoppings projetam aumento das vendas, assim como redes de supermercados


Supermercados e shopping centers, onde é comum haver forte presença de redes de franquias, estão prevendo crescimento moderado nas vendas para 2018. Segundo a Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), após um ano considerado razoável, o faturamento bruto das lojas de shopping deve encerrar este ano com alta entre 5,5% e 6%. O número ficará muito próximo aos 6,2% registrados em 2017, embora ainda bem abaixo dos resultados de 2013 (8,3%) e 2014 (10,1%), período pré-recessão.

Com isso, os supermercados encerraram 2017 com alta de 1,25% nas vendas, abaixo da previsão da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) - que esperava alta de 1,5%, e inferior ao crescimento de 1,58% do ano anterior. Agora, a entidade prevê crescer 3% em termos reais em 2018.

De acordo com o presidente da Abras, João Sanzovo Neto, o crescimento de 2017 ficou aquém do esperado porque a deflação de alimentos foi mais intensa que o previsto, enfraquecendo o faturamento do setor, embora tenha havido uma evolução positiva das vendas em volume.

Com isso, acrescentou ele, mesmo com as dificuldades de 2017, o setor conseguiu atingir um resultado acima de outros segmentos da economia. Este ano, o executivo disse acreditar em menos instabilidade, com a economia se descolando do processo político.

No caso dos lojistas dos shopping centers, o presidente da Abrasce, Glauco Humai, afirmou que o fraco resultado de 2017 pode ser creditado ao desempenho das vendas em dezembro, que ficaram bem abaixo do esperado. Para este ano, aponta o executivo que a expectativa é de um bom desempenho nas vendas, especialmente nos primeiros seis meses do ano, uma vez que o segundo semestre deve ser afetado pelas eleições, com impactos negativos na confiança dos consumidores.

Em 2017, mais de 460 milhões de pessoas circularam nos 571 shoppings espalhados pelo país, 5,6% a mais que em 2016, garantindo um faturamento de R$ 168 bilhões.

Indicadores da alta moderada

A alta moderada esperada pela Abras e Abrasce é vista como natural pelo consultor Eduardo Yamashita, do Grupo GS& Gouvêa de Souza, uma vez que as vendas dos dois segmentos do varejo incluem uma boa parte de produtos de primeira necessidade. “Setores com produtos de primeira necessidade foram bem na crise e até chegaram a ameaçar fechar 2017 com queda.

Com a recuperação da economia, os segmentos que mais sofreram, tendem a se recuperar mais rapidamente”, diz Yamashita, citando os bens duráveis e semiduráveis como os com capacidade de crescimento mais rápida. Segundo Yamashita, essas categorias, que incluem automóveis e móveis, só para ficar em dois exemplos, já estão registrando altas expressivas de vendas, porque têm demanda reprimida e devem continuar em alta ao longo de 2018.

“Produtos semiduráveis e duráveis, que dependem de crédito, melhora da renda e da confiança dos consumidores, com a recuperação da economia vão crescer mais, enquanto os de primeira necessidade menos”, diz o consultor. Ele lembra inclusive que, por conta da demanda reprimida e da estabilidade dos indicadores, é um movimento de alta esperado pelo mercado, e deve permanecer pelos próximos três ou quatro anos. Tanto que, pelas previsões da Gouvêa de Souza, a alta real do varejo (descontada a inflação) em 2018 deve chegar a 4%.

Fonte: Grupo Bittencourt

Compartilhar: