Início / Notícias / Comunicação e Marketing / Artigo: 6 tendências que prometem transformar o setor de comunicação

Artigo: 6 tendências que prometem transformar o setor de comunicação

Silvana Torres, presidente e fundadora da Mark Up, comenta sobre como acompanhar a mudança do setor de comunicação é fundamental para os negócios

Artigo: 6 tendências que prometem transformar o setor de comunicação

Compartilhe:   

Se há um mercado que evolui a cada dia, é o de comunicação. Com a digitalização avançando em velocidade exponencial, os clientes passaram a ter novos hábitos de consumo e aumentaram o nível de exigência na hora de escolher determinado produto ou serviço. Consequentemente, algumas tendências que estão surgindo nessa nova era parecem não estar apenas de passagem.

O motivo disso é simples: grande parte delas está relacionada ao comportamento e à identidade do consumidor e estes têm se tornado protagonistas para as marcas, que adotam estratégias visando estabelecer um diálogo 360º com as mais variadas audiências.

É claro que não podemos generalizar tendências, mas quando falamos de consumidores reais, a busca pela fidelização do público ganha algumas vantagens no cenário de inovação. Aqui na Mark Up, por exemplo, as inovações do mercado são mapeadas por meio da nossa solução proprietária, o All Trends. Elegemos aqui seis das mais expressivas, que certamente têm grande poder de influenciar nos resultados dos negócios:

1. Novas tecnologias de comunicação

Se voltarmos alguns anos, à época da pandemia, vamos lembrar que o isolamento social acabou dando lugar a uma comunicação praticamente 100% digital. Computadores, notebooks, tablets e celulares se tornaram indispensáveis para toda a população, sendo fundamentais para o desenvolvimento do home office e do modelo híbrido de trabalho, o consumo de notícias e a interação com amigos e familiares através das redes sociais.
Não à toa, dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostram que o Brasil tem atualmente mais de um smartphone por habitante. É, literalmente, o cenário mais propício possível para a criação de novos formatos e ferramentas que permitam nos comunicarmos de maneiras jamais experimentadas.
Em resumo, provavelmente o que veremos nos próximos anos será cada vez mais a procura por uma comunicação inteligente, ágil e volátil. Dessa forma, as marcas conseguiram abordar os seus clientes de uma maneira assertiva, com criatividade e pertinência, a qualquer hora e onde quer que eles estejam.

2. Mais vídeos em diversas mídias

YouTube, plataformas de streaming e TV são só alguns exemplos de como filmes, séries, propagandas e conteúdos audiovisuais em geral são extremamente presentes nas nossas rotinas; ou melhor, em diferentes rotinas. Hoje, há basicamente vídeos sobre todos os temas e assuntos, que são ofertados de forma personalizada, sempre pensando nas necessidades e preferências do público-alvo.
Uma pesquisa feita pela Getty Images entre novembro e dezembro do ano passado com 1,5 mil pessoas de 21 países – incluindo o Brasil – demonstra um pouco do potencial dessa diversificação midiática das produções audiovisuais sob a perspectiva do marketing. De acordo com o estudo, 71 % dos profissionais da área dizem que o orçamento para esses conteúdos deve aumentar nos próximos trimestres.

3. Aumento de conteúdos de áudio e voz

Forte vertente das novas tecnologias da comunicação, os conteúdos sonoros estão ganhando um aspecto inédito no ambiente digital. Se já vimos a explosão de podcasts acontecer de uns anos para cá, agora o que está acontecendo é a pluralidade de funcionalidades da voz.

A já consagrada IA (Inteligência Artificial), que vem ditando os rumos no contexto da inovação, é uma das protagonistas nesse processo. A Microsoft, por exemplo, desenvolveu um modelo com essa tecnologia que sintetiza áudios e imita vozes humanas, chamado de VALL-E, com o objetivo de aperfeiçoar os textos de ferramentas faladas, trazendo mais naturalidade para elas.

Então, é bastante razoável projetar um futuro em que o mercado vai explorar soluções que ofereçam tudo o que o cliente precisa a poucas palavras de distância.

4. Desenvolvimento do atendimento e do marketing conversacional

E por falar em IA, tecnologias como essa são verdadeiras aliadas das empresas quando o assunto é a melhoria do atendimento ao cliente. Para se ter uma ideia, um levantamento da Juniper Research, empresa de consultoria e análise global no setor de tecnologia móvel e digital, revelou que haverá aproximadamente 8,4 bilhões de dispositivos inteligentes com suporte para assistentes de voz até 2024, sendo que a humanidade terá por volta de 7,8 bilhões de habitantes.

Isso significa que chatbots e ferramentas que promovem uma jornada de compra fácil, interativa e imersiva continuarão em alta, customizando o processo de acordo com a identidade do consumidor que está do outro lado da tela. Se pudermos resumir essas características do marketing conversacional em um lema, seria “atendimento na palma da mão e na ponta da língua”.

5. Experiências únicas

A crescente oferta nas opções de acesso do consumidor às marcas de sua preferência gera alguns impactos que vão além do incremento no volume de negócios propriamente dito. Por exemplo, demandam nas empresas a necessidade de olhar para suas próprias equipes, mantendo seus colaboradores sempre motivados e estimulados a buscarem as melhores performances.

Nesse relacionamento entre pessoas e marcas, o que mais se deseja é obter uma experiência satisfatória. Se for surpreendente, então, tanto melhor. E isso inclui as equipes internas. Por isso, um catálogo de prêmios capaz de não apenas atender às necessidades, mas principalmente despertar sentimentos a partir de suas soluções, nunca sai de moda.
Porque, pare e pense, o que define uma boa experiência de premiação? Para alguns, pode ser aquele item que falta em sua área de lazer. Para outros, um jantar inesquecível. Há aqueles, ainda, que desejam mesmo é ter suas contas pagas para equilibrar suas finanças. Por isso, ter o poder da escolha é uma experiência aspiracional e tão libertadora!

6. Estratégias pautadas em dados

Por fim, não há como falar em tendências em um mundo em constante evolução tecnológica sem mencionar o data driven. Hoje, o vasto universo dos dados funciona não apenas como uma forma de eliminar tarefas mecânicas e burocráticas da rotina dos times, mas também para gerar insights valiosos para a estratégia das marcas, que abrem caminhos para uma diferenciação altamente competitiva diante da concorrência.

Essas informações são obtidas por meio de análises de mercado, mapeamento de oportunidades e monitoramento de performance, engajamento e produtividade, só para citar algumas ações. Com isso, os gestores contam com um forte embasamento para qualquer decisão que precisem tomar, construindo estratégias de crescimento junto às equipes com menos imprevistos e muito mais certezas. Fato é que, contra dados, não há argumentos.

Se a inteligência de dados permite poupar tempo e recursos e ainda traz assertividade para as estratégias das marcas, não há como dissociá-la como parte integrante das soluções do futuro.

Mas afinal, qual é o futuro da comunicação?

É claro que não existem certezas, mas fazendo uma boa leitura sobre essas tendências, não seria mero acaso acreditar que as empresas têm um vasto campo à disposição para inovar e transformar o mercado da comunicação. A pergunta é: o quanto elas estão dispostas a aproveitar esse mar de oportunidades?

Para aquelas que estejam dispostas a surfar essa onda, entendendo a importância de manter sua essência, mas também a necessidade de abraçar o novo, adaptar-se ao mundo phygital e colocar foco nos seus consumidores pode ajudar a se posicionarem de forma competitiva.

Com um norte claramente delineado e tendo como bússola estratégias de comunicação consistentes e atuais, a possibilidade de se chegar a um porto seguro é altamente relevante. E o melhor: aproveitando os bons ventos da inovação, capazes de impulsioná-las cada vez mais longe.
 
*Silvana Torres é presidente e fundadora da Mark Up, empresa de live marketing e criadora da metodologia proprietária Construtoria Estratégica, que alia estratégias data driven de uma consultoria a execuções assertivas e criativas de uma agência.

PUBLICIDADE

Tem interesse no mercado de franquias?