Franquias apostam na abertura de lojas em postos de combustível

Enviado em 03, Ago, 2009 às 20:56:57

Franquias apostam na abertura de lojas em postos de combustível

Não é apenas para abastecer os carros que 3,5 mil paulistanos vão todos os dias a um espaçoso posto de combustível na avenida Pompéia, na zona oeste da cidade. Os consumidores são atraídos também pelo arsenal de serviços concentrados naquele espaço. Ali, enquanto enchem o tanque, os motoristas podem cortar o cabelo, tomar café, passar na lavanderia e engraxar sapatos. Se sobrar tempo, ainda podem deixar roupas para costurar, comprar remédios e revistas ou comer em um restaurante. A idéia de reunir empresas de diversos segmentos para atrair mais consumidores partiu do dono do local, Arthur Etzel, há 12 anos.

Na época, ele pesquisou pelo bairro que tipo de comércio faltava nas redondezas e levou o projeto para empresários que poderiam lucrar com a abertura de lojas. Atualmente, uma farmácia da Drogasil, um cabeleireiro Soho e uma Grife do Churrasqueiro são algumas das dez franquias presentes no posto, além do lava-rápido e de seis caixas automáticos de bancos. "O conceito amadureceu muito de cinco anos para cá e o posto virou uma parada quase obrigatória para os clientes que passam por aqui todos dias", comenta Etzel.

O investidor não foi o inventor desse modelo. Ele apenas está surfando na onda inaugurada pelas grandes redes de franquias. Os tradicionais pontos em shoppings centers e em ruas comerciais se tornaram raros e, por tabela, caros. Além disso, os postos de gasolina oferecem vantagens em relação aos endereços convencionais. Ali há iluminação, estacionamento e segurança. Mais: são espaços que funcionam 24 horas por dia, o que aumenta a circulação de clientes e gera mais receita para as lojas. O mais importante, contudo, é a enorme redução de custos.

"O investimento na abertura de um comércio nesses locais é 50% menor do que em um shopping ou hipermercado e o retorno é 30% maior, dependendo da localização", afirma Nelcindo Nascimento, da rede brasileira de lavanderias 5àSec. Nascimento fala com conhecimento de causa. A rede comandada por ele foi uma das que se aventurou a abrir uma loja no posto da Pompeia, há dez anos. Hoje, das 300 unidades espalhadas pelo País, o ponto é um dos dez mais lucrativos da empresa.

Os resultados incentivaram a abertura de mais 30 lavanderias em espaços semelhantes. Outras 20 estão previstas para este ano. "Ali atingimos diversos tipos de públicos todos os dias", afirma o executivo. A localização em lugares privilegiados e limpos é outro atrativo. Foi isso que chamou a atenção da Sapataria do Futuro, também prestadora de serviços de costura e lavanderia. A primeira unidade da rede, hoje com 189 lojas, foi aberta no Shopping Morumbi, em São Paulo.

Mas os altos preços de aluguéis e a limitação de marketing fizeram com que, há três anos, a companhia voltasse os olhos para os postos de combustível. Com cinco unidades instaladas nesses locais, a empresa alcançou resultados que a motivaram a traçar um plano agressivo: abrir 50 unidades em postos de combustível até 2012. "Esses pontos são nossos modelos de negócios mais rentáveis", Paulo César Mauro, diretor da Sapataria, Costura e Lavanderia do Futuro.

O mesmo motivo levou o Spoleto a adaptar este ano seus restaurantes italianos para lojas de conveniência. O modelo é composto apenas de equipamentos elétricos e sem a necessidade de muita mão-de-obra. "Constatamos que as lojas de conveniência garantem receita com cigarro e bebida, mas sofrem com altos impostos e restrição de vendas. Por isso, somos uma boa saída para atrair mais consumidores", afirma Renata Rouchou, diretora de expansão da holding Úmbria, detentora da marca. É um conceito que a americana Subway conhece profundamente.

Das 31 mil lojas que possui em 90 países, 3,1 mil estão dentro de postos. No Brasil, são 12, mas a intenção é chegar a 80 pontos até 2010. "As vendas são maiores depois das 17 horas nesses locais. Não há modelo tão rentável quanto esse", comenta Julliano Ivankiw, gerente de operações da Subway no Brasil. Apesar de todas essas vantagens, Tadeu Masano, da Geografia de Mercado, alerta para alguns riscos. Um deles: não se deixar seduzir por pontos onde outras bandeiras consagradas não estejam presentes.

"Reunir no mesmo ponto empresas conhecidas atrai mais consumidores para todos", diz Masano. Para isso, a Ipiranga, do Grupo Ultra, vem planejando um mix de franquias para cada um dos seus 5,3 mil postos que possui no País. Atualmente, a rede negocia com 50 potenciais parceiros, entre eles a marca de sobremesas Mr. Bey, para instalar serviços de conveniência. "Esperamos que esses negócios incrementem nossa receita em 20%", afirma Ricardo Maia, diretor de marketing da Ipiranga.

Enquanto muitas empresas entram no ramo, a Casa do Pão de Queijo já está escolada. Apenas com suas 200 lojas em postos, abertas a partir da década de 90, a rede espera faturar neste ano R$ 56 milhões. Nesse ritmo, os centros de conveniência que estão se formando em postos devem atrair, não só mais consumidores, como mais investidores.

 

Fonte: Isto É Dinheiro

Leia Mais Sobre Acontece no Franchising