Slow, a filosofia do tempo certo, acelerada pela pandemia

A Filosofia slow que alguns seguidores e escritores definem como o “ato de usar o tempo sabiamente e fazer tudo no ritmo certo” começou a ganhar vários adeptos em diferentes áreas inclusive no mundo corporativo,  porém num  ritmo slow, ou seja, aos poucos, em contradição à  realidade que nos apresenta onde  tudo e todos estão sendo  atropelados pela evolução da  tecnologia onde agilidade é a palavra do momento. No mundo corporativo até há poucos meses, havia a sensação de que o movimento slow, como foi chamado,  estava  mais para  discurso de ativistas do que uma prática  de fato.

 

Não imaginava o idealizador do movimento que viria uma pandemia e que a humanidade poderia, de repente,  descobrir fazer sentido olhar o mundo não no modo  fast mas no modo slow.

 

No  primeiro momento o caos instalado,  as pessoas forçadas pela quarentena, em casa, onde literalmente ficou tudo muito junto e misturado, os afazeres domésticos com as   atividades profissionais e educacionais, e todos se dividindo como podiam, para não deixar de atender ninguém, nem o patrão, nem o filho, a esposa, o marido, uma verdadeira orquestra com mais de um maestro e vários instrumentos desafinados. Situação jamais imaginada.

 

Além do medo, pairava  a  sensação e a ilusão de que seria por pouco tempo e que logo as coisas voltariam ao normal. O tempo foi passando e a realidade que se apresentava era mais cruel e transcorria  no seu ritmo  e na sua velocidade,  desafiando as maiores autoridades e institutos ligados a medicina no mundo  e  que  nenhuma tecnologia foi capaz resolver.

 

Apesar do efeito devastador causado pela COVID-19, o prolongamento de sua permanência  foi causando nas pessoas o sentimento slow, aquele sentimento que quase fala, que quase salta  do peito das pessoas: Calma, relaxa! Não há o que você possa  fazer, além de cuidar de si  e do outro, um dia de cada vez. Sim, no meio de tudo isso, começamos a vivenciar o mundo, a filosofia e o movimento slow, com  a oportunidade de avaliar o efeito de tudo, juntos, em todos os sentidos e em todos os níveis e meios.

 

Os empresários começaram a enxergar  outras perspectivas, sentiram  a solidariedade e o amor daqueles que  fazem o seu negócio funcionar e aumentaram a preocupação e os cuidados com eles; Os pais na convivência com os filhos passaram a experimentar o quanto é prazeroso  ver o desenvolvimento das crianças e o quanto estão aprendendo com elas.  

 

A necessidade de equilibrar tudo, de valorizar o que não era valorizado, de enxergar o que não era visto, de preservar o que não era preservado, de amar o desconhecido, de  doar mais e receber menos, e, de se apegar a algo superior, ao Pai, aflorou. Entramos todos no mesmo barco, sem distinção de raça, classe social, poder e o que mais possa distinguir um ser humano do outro, e estamos atravessando as ondas e tormentas com poucos equipamentos, mas com muita esperança  de que juntos  chegaremos do outro lado,  experimentando todas as sensações possíveis, o calor do sol, a brisa do anoitecer, o cantar das gaivotas, o balanço das ondas e o aperto no coração de cada um.

 

 Em 2004  o autor  Carl Honoré escreveu o livro, In Praise of Slow, traduzido para português  sob o título “Devagar”,  onde cita  como a filosofia Slow pode ser aplicada em todos os campos da atuação humana,  Honoré descreve o Slow Movement assim:

 

“É uma revolução cultural contra a noção de que mais rápido é sempre melhor. A filosofia Slow não é fazer tudo a um ritmo de caracol. Trata-se de tentar fazer tudo à velocidade certa. Saboreando as horas e minutos em vez de apenas contá-los. Fazendo tudo o que for possível, em vez de ser o mais rápido possível. É sobre ter qualidade em detrimento da quantidade em tudo, desde o trabalho até a comida e a criação dos filhos”.

 

Bemvindos ao Movimento Slow acelerado pela pandemia.

 

Claudia Bittencourt é sócia fundadora e presidente do Conselho Consultivo do Grupo BITTENCOURT consultoria especializada no desenvolvimento, gestão e expansão de redes de negócios e franquias.

 

Encontre a melhor franquia para você: Franquias por segmentos e ramos
Confira mais artigos em: Gurus do Franchising

Artigos Claudia Bittencourt

Atitudes dos franqueadores de sucesso

Atitudes dos franqueadores de sucesso

As empresas Franqueadoras, já consolidadas que aprenderam a cultivar e manter um bom relacionamento com seus franqueados continuam dando certo Independentemente...

Ver mais

O treinamento e a comunicação empresarial nas redes de franquias

O treinamento e a comunicação empresarial nas redes de franquias

Antes de falar em treinamento vale uma reflexão sobre a responsabilidade do franqueador em relação à rede de franquias a responsabilidade do...

Ver mais

Erros que comprometem o início da expansão por franquia   

Erros que comprometem o início da expansão por franquia  

  No nosso dia-a-dia como consultores de empresas deparamo-nos com franqueadores cujos seus negócios com franquia não tiveram o desempenho e a...

Ver mais

Ver mais

Ver mais

Encontre a melhor franquia para você

-->