Os desafios da sucessão nas famílias empresárias brasileiras

Por Alexandre Silva Rosa*

Franquia

 

Por mais que tentemos evitá-la, a morte é uma certeza da vida e os últimos anos que temos enfrentado marcaram um novo território inexplorado para a geração atual. Enfrentamos o turbilhão com o Covid-19 e suas variantes, paralisações globais e uma nova maneira de viver, que deixou muitos confusos e muitas vezes enlutados.

 

Nós nunca realmente nos preparamos para a morte ou suas consequências. Neste tempo, vimos famílias perdendo seus patriarcas e matriarcas, e family offices perdendo seus princípios. Uma das partes mais desafiadoras é fazer com que os "parentes mais próximos" decidam o que acontece a seguir e quem vai liderar. Quando alguém morre, todo o sistema familiar é derrubado. Os familiares enlutados encontram-se desinteressados e/ou incapazes de se comportar como costumavam. As pessoas não apenas precisam lidar com o luto, mas também precisam lidar com o fato de que uma parte vital da família se foi. Tudo isso se resume à importância do planejamento sucessório e como eles podem proteger a família após uma perda.

 

Realmente tudo soa como se fosse uma cena de um livro de ficção ou um filme de Hollywood, quem já experimentou sabe que a verdade é muito mais bizarra. Como as famílias que estão despojadas podem superar a dor de perder um ente querido e lidar com o cotidiano sabendo muito bem que a família pode se sentir como um barco sem leme?

 

Diz o ditado que nada na vida é certo, exceto a morte (e impostos). Após a turbulência da pandemia, muitas pessoas foram forçadas a lidar com esse tema de uma forma ou de outra.

 

Apesar de muitos esforços, nunca estamos realmente preparados para o fenecimento de um ente querido, e a questão dos testamentos, propriedades e heranças só pode complicar as coisas. A perda de um membro principal pode ter sérias implicações para o negócio, bem como para a família, principalmente se não houver uma atenção cuidadosa ao planejamento sucessório.

 

Ninguém pode realmente se preparar para a perda de um ente querido, mas ao colocar certas práticas de Governança e Sucessão em prática, você pode mitigar qualquer incerteza para a família empresária garantir sua perenidade.

 

O processo sucessório pode ser caracterizado por diversos autores como o momento de otimizar a continuidade da empresa familiar. Assim, o interesse do sucessor deve ir além de sua capacidade para lidar com stakeholders, ou seja, ele deve ser capaz de manter a empresa lucrativa e, assim, alavancar os negócios.

 

Conheça os nossos gurus/colunistas

 

A sucessão sugere liderança sem alterar a forma básica da empresa, envolve uma reestruturação da forma fundamental da organização, não apenas uma mudança de guarda, envolvendo as diferentes partes que são impactadas de alguma forma pela sucessão, infere-se que a sucessão deve ser referida como um processo, engajando os diversos stakeholders de acordo com a ordem de importância das partes interessadas, demonstrada a seguir:

 

1) Sucedidos: fundador(es), sócio(s);

2) Sucessor(es): filho(s), genro(s), nora, empregado(s), cônjuge;

3) Família: cônjuge, filhos, genros, noras;

4) Empresa: funcionários;

5) Mercado: clientes, fornecedores, concorrentes e;

6) Comunidade: social, política, econômica.

 

O crescente interesse por este tema pode ser atribuído a vários fatores. Entre eles, o fato é que o sucesso ou fracasso desse processo pode viabilizar ou comprometer definitivamente a continuidade do negócio.

 

Por fim, a perspectiva dos proprietários familiares é avessa às perdas, pois refletem as escolhas estratégicas que fazem o controle e a influência da redução dos conflitos familiares, por meio de mecanismos de governança que promovem o controle familiar. Isso leva a uma relação positiva entre a propriedade familiar e o cumprimento do código. Esse resultado é baseado na identificação da família com a empresa, bem como suas preocupações com a reputação, que trazem maiores pressões para aderir às regras e padrões da sociedade.

 

SOBRE - ALEXANDRE SILVA ROSA*

Alexandre Silva Rosa é Head de Franquias da GoNext Governança & Sucessão.

 

Sobre a GoNext Governança & Sucessão

Consultoria especializada na implantação do sistema de governança corporativa e sucessão em empresas familiares. Fundada em 2010, atua com metodologia exclusiva para a profissionalização, elaborada a partir da experiência adquirida em aproximadamente 200 projetos atendidos no Brasil e nos Estados Unidos. A equipe de consultores desenvolve planejamento personalizado, de forma integrada aos objetivos e necessidades de cada cliente. A GoNext foi fundada pelo CEO Eduardo José Valério, com mais de 25 anos de experiência como executivo, tendo atuado como C-Level de grandes companhias brasileiras. www.gonext.com.br.

 

CONHEÇA A FRANQUIA IDEAL PARA VOCÊ

 

Encontre a melhor franquia para você: Franquias por segmentos e ramos
Confira mais artigos em: Gurus do Franchising

 

Artigos Alexandre Silva Rosa

Como começar a implementação de um processo de governança em uma empresa familiar?

Como começar a implementação de um processo de governança em uma empresa familiar?

  A escolha da estrutura de governança e sucessão familiar certa está intimamente ligada à forma como os membros da família se...

Ver mais

Chaves para conduzir uma revisão de governança corporativa bem-sucedida

Chaves para conduzir uma revisão de governança corporativa bem-sucedida

  As organizações devem revisar sua governança como um todo de tempos em tempos, principalmente se alguns pontos problemáticos...

Ver mais

Confie no processo: as recompensas ao antecipar o planejamento sucessório

Confie no processo: as recompensas ao antecipar o planejamento sucessório

  Encontrar o próximo CEO é sempre uma tarefa intensiva e deve ser muito assertiva. Não é de surpreender que os clientes no meio do...

Ver mais

Ver mais

Ver mais

Encontre a melhor franquia para você